Páginas

quinta-feira, 16 de julho de 2015

Seitas Judaicas

SEITAS JUDAICAS


SADUCEUS
Seita pequena de sacerdotes ricos e de influência, que antes de Cristo ganhou o domínio sobre o sacerdócio. Os saduceus não eram propriamente uma seita, nem um partido político e nem um escola de filosofia, contudo, tinham características de todos os três. Eram racionalistas e mundanos e com pouco interesse na religião. Eram adversários dos fariseus e repudiavam as tradições. Desejavam sobre tudo,

gozo pacifico de suas riquezas. Foram denunciados por Jesus juntamente com os fariseus (Mt 16.6,11,12). Eles não criam na ressurreição (Mt 22.23), na existência de anjos e de espírito (At 23.8). Uma parte o sinédrio pertencia a eles no tempo de Paulo, a outra parte pertencia aos fariseus (At 23.6, 7, 8).

ZELOTES
Uma seita de judeus criada por Judas, o galileu (At 5:37). Recusavam-se a pagar o tributo aos romanos, com base no facto de isto ser uma violação ao princípio de que Deus era o único rei de Israel. Rebelaram-se contra os romanos mas foram dispersos, tornando-se num grupo de foras-da-lei. Foram, mais tarde, apelidados de sicários, por usarem a sica, i.e., a adaga romana.

ESSÊNIOS
Os essênios eram uma seita judaica separatista que estabeleceu uma comunidade perto do mar Morto. Seu nome deve derivar de hasidlm (“pessoas leais” [ou piedosas]). Isso pode refletir sua crença de que viviam no fim dos tempos de apostasia. O reinado maligno de Antíoco Epifânio no século II a.C. pode ter sido o impulso para a fundação dessa seita. Sua comunidade durou até o século II d.C. Segundo Josefo (Guerras dos judeus, 2.8.2), os essênios, fariseus e saduceus eram as principais seitas do judaísmo. Sua vida era marcada pelo ascetismo, comunismo e a rejeição dos sacrifícios animais. Na época do NT, eram cerca de 4 mil (Cross, p. 471).

FARISEUS
Fariseu [separado]. Uma das principais seitas judaicas, mais numerosas do que os saduceus, e de mais influência entre o povo. Os fariseus procuravam viver de modo separado entre o povo, inclusive entre os próprios judeus, eram seguidores rigorosos da Lei de Moisés, das tradições e dos costumes dos antepassados (Mt 23.25-28). Acreditavam na ressurreição dos mortos e na existência de seres celestiais (At 23.8), eles não se davam com os saduceus, mas se uniram a este grupo para combater Jesus e os seus seguidores (Mt 16.1).  Observavam práticas minuciosas mas se esqueciam do espírito da Lei, como se vê na maneira em que se lavavam antes de comer, na lavagem de copos, jarros, etc. (Mc 7.34), em entregar escrupulosamente o dízimo (Mt 23.23), na observância minuciosa do sábado de maneira que este dia, em vez de ser de descanso, se tornou um peso (Mt 12.1-14; Lc 13.10-17). Josefo afirma que eles viviam moderados evitando todo luxo. Havia entre eles muitos indivíduos piedosos e de grande influência entre o povo, podemos citar alguns deles, Simão (Lc 7.36), Nicodemos (Jo 3.1), Gamaliel (At 5.34) e Saulo de Tarso (At 23.6; Fp 3.5).




Alan Fabiano


Fonte
GEISLER, Norman. Enciclopédia de Apologética, respostas aos críticos da fé cristã - PDF.
BOYER, Orlando. Pequena Enciclopédia Bíblica. 7 ed., São Paulo: Vida, 2000.
KASCHEL, Werner; ZIMMER, Rudi. Dicionário da Bíblia de Almeida. Barueri - SP: SBB, 2001.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

- Deixe o seu comentário;
- Assim que puder responderei;
- Faça desse espaço um lugar de crescimento espiritual;
- Grato por sua visita;
- Deus te abençoe.