Páginas

segunda-feira, 20 de julho de 2015

Biografia e vida de Timóteo

TIMÓTEO
Urna figura fascinante do Novo Testamento, converteu-se durante a primeira viagem missionária de Paulo e tornou-se um dos colaboradores na segunda viagem, na qual levou o apóstolo a pregar o Evangelho através do mar Egeu em direção a Europa (At 16.1.3).

O HOMEM DE FAMÍLIA
Timóteo pertencia a uma família mista — era filho de “uma judia crente, mas seu pai era grego” (At 16.1). Aprendeu sobre a fé aos pés da avó Loide e sua mãe Eunice (2 Tm 1 5; 3.15). Para que ele fosse útil a evangelização e aceito como judeu, Paulo resolveu submete-lo a circuncisão, "porque lodos sabiam que seu pai era grego" (At 16.3). Essa concessão diante da sensibilidade dos judeus e contrastada com a absoluta recusa do apóstolo em permitir que Tito, seu coopera dor gentio, fosse circuncidado; isso envolveria a negação do Evangelho da graça que Paulo pregava (Gl 2/1,16).
Alguns comentaristas modernos sugerem quo o apóstolo foi incoerente nessa questão ou Lucas, ao escrever, simplesmente se equivocou. O comportamento de Paulo, entretanto, é compreensível, devido aos diferentes contextos em que trabalhava. O apóstolo não estava disposto a comprometer a verdade básica de que a salvação era somente pela graça, por meio da fé, por isso rejeitava os que obrigavam os cristãos a circuncidar-se. Por outro lado, quando não havia nenhum comprometimento nem violação dos princípios cristãos, estava sempre disposto a fazer grandes concessões para compartilhar o Evangelho como outros “Fiz-me como judeu para os judeus, para ganhar os judeus" (2 Co 9.20), essa flexibilidade é ilustrada na circuncisão de Timóteo.

UM COOPERADOR DO EVANGELHO
Timóteo trabalhou com Paulo e Silas (também conhecido como Silvano), a fim de que as boas novas de Cristo chegassem a Europa. A equipe missionária pregou sobre Jesus como “o Filho de Deus" (2 Co 1.19) em cidades da Macedônia como Filipos, Tessalônica e Beréia. Os judeus de Tessalônica seguiram o apóstolo e seu grupo até Beréia e instigaram a multidão contra eles, por isso, os irmãos o levaram para a costa e o embarcaram para Atenas; Timóteo e Silas ficaram lá, a fim de dar continuidade ao trabalho em Beréia (At 17.13-15). Posteriormente,
Continue lendo!Paulo desceu a Corinto e Timóteo e Silas partiram da Macedônia e o encontraram naquela cidade (18.51). O apóstolo sem duvida era o líder do grupo e o porta-voz deles, mas Silas e Timóteo certamente eram importantes companheiros na missão e estavam felizes por trabalharem sob a liderança e direção de Paulo. Em Atos 19.22, Timóteo é descrito junto com Erasto como um dos "auxiliares" do apóstolo, os quais foram enviados a Macedônia enquanto Paulo continuava o trabalho na província romana da Asia.
Semelhantemente, nas epistolas paulinas existe um forte reconhecimento de que Timóteo e outros, como Silvano, eram cooperadores de Paulo. Assim quando o apóstolo escrevia para as igrejas, naturalmente incluía Timóteo como um de seus companheiros nas saudações de abertura ou nas de despedidas (1 Ts 1.1; 2 Tss 1.1; 2 Co 1.1; Fp 1.1; Cl 1.1). No caso dos tessalonicenses, Paulo estava tão preocupado com o bem estar espiritual deles que enviou Timóteo de Atenas para fortalecer o encorajar os crentes naquela localidade. O veterano missionário falou afetuosamente de Timóteo como “nosso irmão, ministra de Deus e nossa cooperador no evangelho de Cristo" (2 Ts 3.2). O propósito da visita era fortalecer a fidelidade dos cristãos diante da perseguição e dos ataques do "tentador" ( 1 Ts 3.3-5). Felizmente a visita de Timóteo trouxe de volta notícias animadoras sobre a fé o amor e o bondoso interesse dos tessalonicenses para com o apóstolo (1 Ts 3.7). Na visão de Paulo, Timóteo cumpria satisfatoriamente todas as tarefas que Lhe eram incumbidas.

UM JOVEM LIDER
Evidentemente, Paulo acreditava que Timóteo era um dos jovens que demonstravam maior potencial para ser líder na igreja emergente, o qual podia ser chamado para ocupar qualquer cargo de liderança quando fosse necessário. Não foi surpresa o que o apóstolo disse sobre ele aos romanos: "Saúda-vos Timóteo, meu cooperador” (Rm 16.21). Semelhantemente, Paulo associou Timóteo consigo mesmo nas palavras iniciais de saudação aos Filipenses, ao descrever ambos como “servos de Cristo”. Mais tarde, na mesma carta, o apóstolo prestou tributo a Timóteo, ao reconhecer sua preocupação genuína com os filipenses, em contraste com as atitudes egoístas dos outros (Fp 2.20.21). Paulo tinha plena confiança no histórico de Timóteo como obreiro cristão: “Mas bem sabeis qual a sua experiência, e que serviu comigo no evangelho, como filho ao pai" (Fp 2.22). Paulo valorizava tal companhia no Evangelho. Em 1 Corintios 4.17 declarou: "Por esta causa vos enviei Timóteo, que ó meu filho amado e fiel no Senhor, o qual vos lembrará meus caminhos em Cristo”. O apóstolo instruiu os coríntios, a fim de que Timóteo não fosse tratado com menosprezo, mas recebido calorosamente como um genuíno obreiro cristão que fazia a obra de Cristo da mesma maneira que Paulo ( 1 Co 16.10,11); O apóstolo esperava que os cristãos respeitassem os jovens lideres como Timóteo: “Portanto, ninguém o despreze, mas, acompanhai-o em paz, para que venha ter comigo, pois o espero com os irmãos" (1 Co 16.11).

A ESPIRITUALIDADE DE TIMÓTEO
Foi dito claramente a Timóteo: "Tem cuidado de ti mesmo e da doutrina, persevera nestas coisas: porque, fazendo Isto te salvarás, tanto a ti mesmo como aos que te ouvem" 2 Tm 4.16). Paulo insistia em que o relacionamento pessoal de Timóteo com Deus era uma questão importantíssima tanto para sua própria vida como para a eficiência de seu ministério. Portanto, o apóstolo instruiu explicitamente seu jovem colega a exercitar-se na piedade (1 Tm 4.7), uma virtude mencionada frequentemente nas epístolas pastorais, cerca de dez vezes nas epístolas pastorais: (1 Tm 2.2; 3.16 4.7.8: 2 Tm 3.5).

A vida num relacionamento íntimo com Deus proporcionaria a base para seu trabalho entre as pessoas. Timóteo jamais devia permitir que desacreditassem de seu ministério por causa da sua juventude; pelo contrário, precisava exercitar uma vida cristã integral, bem estabelecida, de maneira que não se pudesse encontrar nele nenhuma falta (1Tm 4.12). Sua conduta exemplar daria credibilidade ao seu testemunho. Enquanto esperava a chegada de Paulo, que o confirmaria publicamente, Timóteo devia manter-se atento a leitura pública das Escrituras, ao ensino e a pregação (1Tm 4.13). Seus dons foram reconhecidos em sua ordenação, quando os lideres do concilio impuseram as mãos sobre ele. Agora era exortado a cultivar e usar tais dons para que o seu progresso fosse manifesto a todos (1Tm 4.14.15). Sua confiabilidade como líder cristão devia ser estabelecida além de qualquer duvida razoável.

Como representante pessoal de Paulo, Timóteo foi solicitado a permanecer em Éfeso, "para advertires a alguns que não ensinassem outra doutrina, nem se ocupassem com fabulas ou com genealogias intermináveis, que antes produzem controvérsias do que o serviço de Deus na fé" (1Tm 1.1,3,4). Obviamente, havia falsos mestres, que espalhavam seus perigosos pontos de vista, e Timóteo foi chamado para opor-se a eles (1Tm 1.3-11: 6.3-10: 2 Tm 3 1-9). Em lugar desse tipo incipiente de ensino agnóstico, o qual tinha um elemento especulativo judaico Timóteo devia apresentar uma “sã doutrina” 2Tm 1.10: 2 Tm 4.3; cf. Tt 1.9; 2.1), usando “sãs palavras" 2 Tm 6.3; 2 Tm 1,13 cf. Tt 2.8, as quais edificariam seus ouvintes na fé cristã a desafiarem os ensinos dos falsos mestres.

Timóteo não gozava de boa saúde, pois sofria de problemas estomacais e frequentes enfermidades (1 Tm 5.23). Paulo o aconselhou a exercitar-se a tomar as precauções necessárias, para livrar-se das doenças, 1 Tm 4.8; 5.23; cf. 3.8). Em resumo, Timóteo constitui um interessante tema de estudo sobre discipulado e liderança cristã. Converteu-se e foi cuidadosamente preparado pelo apóstolo Paulo. Depois foi colocado para trabalhar por Cristo e teve oportunidades para desenvolver seus dons, inclusive o de pregar o Evangelho e o de fortalecer os jovens convertidos e as novas igrejas. Timóteo era um tanto tímido e lhe faltava um pouco de autoconfiança, de maneira que precisava da afirmação e apoio dos cristãos mais maduros. Foi aconselhado sobre a necessidade de experimentar a graça renovadora de Deus: "Tú, pois, meu filho fortifica-te na graça que há em Cristo Jesus" (2 Tm 2.1). Paulo falou-lhe de sua herança cristã, a qual “habitou primeiro em tua avó Loide e com tua mãe Eunice, e estou certo de que também habita em ti” (2 Tm 1 5). Esse encorajamento pessoal era necessário pois fortalecer uma pessoa insegura, a qual foi lembrada de que “Porque Deus não nos deu o espírito de temor, mas de fortaleza, e de amor, e de moderação” (2 Trn 1.7). Para ser um líder autêntico, Timóteo precisava estar sempre em comunhão com Deus de maneira renovada e viva. Sobre isso. Paulo disse: “Por este motivo eu te exorto que despertes o dom de Deus, que ha em ti, 2Tm 1.6. Era um chamado para um compromisso renovado, uma determinação e disposição para sofrer e sacrificar-se. Em todas essas coisas Timóteo precisava unir-se ao apóstolo em plena confiança no “poder de Deus” (2 Tm 1.8). O serviço cristão para Timóteo era desafiador e exigente. Havia falsos mestres que apresentavam alternativas sutis e aparentemente atraentes para a fé cristã. Existiam também as tentações perenes do materialismo e da secularismo (1 Tm 6.9,10: 2 Tm 3.1,5). Como líder cristão, Timóteo foi chamado para travar uma guerra espiritual contra os poderes do mal (1 Tm 1.18; 2 Tm 2.4; 4.7). Os "laços do diabo” deviam ser evitados (2 Tm 2.20).

Timóteo fizera promessas ao Senhor e era convocado a cumpri-las como um bom soldado de Cristo (2 Tm 2.3-7). O próprio Paulo proporcionara um grande modelo digno de ser imitado (2 Tm 3.10-12). Esperava-se que Timóteo mantivesse sua fidelidade à tradição cristã, sem jamais esquecer-se das pessoas nobres que a transmitiram a ele (2 Tm 1,5; 1.14.15). A herança sagrada das Escrituras seria usada "para ensinar, para repreender, paro corrigir, para instruir em justiça, a fim de que o homem de Deus seja perfeito e perfeitamente preparado para toda boa obra" (2 Tm 3 .36,17).

Fonte
PICKERING. Marshall: Quem é quem na Bíblia Sagrada, Vida, São Paulo, SP, 1999 - PDF

Nenhum comentário:

Postar um comentário

- Deixe o seu comentário;
- Assim que puder responderei;
- Faça desse espaço um lugar de crescimento espiritual;
- Grato por sua visita;
- Deus te abençoe.